terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

CRITICA - NINJA ASSASSINO


POR KELLY GOMPE

O roteiro coassinado pelo quadrinista J. Michael Straczynski com Matthew Sand acompanha Raizo (Rain), um dos assassinos mais mortais do mundo. Tirado das ruas ainda garoto, ele foi transformado em um matador pelo Clã Ozunu, sociedade secreta cuja existência é considerada um mito. Mas assombrado pela execução sumária de um amigo pelo Clã, Raizo se rebela... E desaparece. Agora ele aguarda, preparando sua vingança com precisão.
O elenco tem ainda Naomie Harris, Ben Miles, Rick Yune e o ícone japonês dos filmes de ninja dos anos 80 Sho Kosugi, como o cruel líder do clã. A direção é de James McTeigue (V de Vingança).


Força de Vontade. Foi o que faltou para que este filme fosse realmente bom. Esperava-se muito mais dos irmãos Wachowski (lembra daquela triologia famosa Matrix? então...), e nem preciso dizer que quase vibrei ao saber que eles estariam entregando o projeto para ninguém menos que o diretor James McTeigue (o sombrio V de Vingança).
A história é boa mais agradaria aos fãs se ao menos respeitassem nossa inteligencia dando seguimento aos fatos. O filme foi totalmente voltado a cenas de ação e sangue (muito bem coreografadas, ponto alto do filme), contudo, no decorrer da trama é notável as falhas gritantes e não estou falando de erros de continuação mais sim de lógica. Não vou contar, tem que assistir pra sacar do que estou falando.
Mais nem tudo está perdido, a direção soube explorar muito bem as sombras, a falta de luz criando um ambiente de puro suspense em Ninja Assassino.
Uma curiosidade: A presença de Shô Kosugi como o mestre do clã Ozunu e vilão da história é uma das poucas e bem usadas referências ao universo de filmes de artes marciais. Na década de 1980 Kosugi estrelou muitas produções japonesas que chegavam ao Brasil direto em VHS e faziam a festa da legião de fãs do gênero. Em 1988 ele chegou a contracenar com Jean-Claude Van Damme no obscuro - porque pouco conhecido - Contato Mortal (Black Eagle).
Ninja Assassino é assistivél, pouco crível e com um único objetivo: Ação de qualidade para quem não liga pra detalhes.

Nota: 3 ESTRELAS (BOM)

3 comentários:

Anônimo disse...

galera assiti o filme!! horrivel, um dos piores filmes que ja assiti!

Anônimo disse...

po horrivel e poco o filme e uma grande bosta chega a ser ridiculo

carlos disse...

assiti ao filme e achei bacana... não é tudo o que se esperava pelo marketing feito...mas vale a pena assitir pra se divertir... gastar $$ numa entrada de cinema não dá....